Segundo a Lei Nº 1.607, que estabelece a Organização básica da Administração Pública Municipal:

Subseção X DA SECRETARIA DA CULTURA, JUVENTUDE, ESPORTE E LAZER - Art. 27

A Secretaria da Cultura, Juventude, Esporte e Lazer tem como finalidade formular e coordenar a execução das políticas públicas de cultura, juventude, esporte e lazer do Município de Sobral, incluindo o desenvolvimento de ações que visem a proteção da memória e do patrimônio histórico artístico e cultural, promovendo a inclusão e integração social, qualidade de vida e incentivo a formação esportiva, através das políticas de esportes, juventude e lazer para crianças, adolescentes, jovens, adultos, idosos e portadores de deficiência, visando melhorar a qualidade de vida e a inclusão social dos cidadãos e cidadãs do Município, competindo-lhe: (alterado pela Lei nº 1.634, de 20 de junho de 2017)

I - formular e executar a política municipal de esportes, coordenando, supervisionando e incentivando a realização de atividades físicas, desportivas e recreativas, como instrumento de inclusão social e promoção do bem estar físico e psicológico à população;

II - promover a democratização do acesso às práticas de esporte e lazer com equidade, participação popular e qualidade para as comunidades de Sobral;

III - acompanhar e monitorar a execução da política de esporte e lazer do Município;

IV - disciplinar, regulamentar, coordenar e promover a realização de eventos e práticas esportivas inclusive em vias e logradouros públicos, articulando-se com órgãos e entidades do poder público e da iniciativa privada;

V - desenvolver estudos, programas e projetos, objetivando a definição de áreas   para   a   implantação   e   promoção   das   diversas modalidades esportivas, com vistas à recreação, ao lazer e à saúde;

VI - incentivar a comunidade para o melhor aproveitamento dos espaços públicos ou recursos naturais para a prática de esportes;

VII - coordenar e gerenciar os programas e os projetos a serem efetivados pela Administração Municipal nas áreas de esporte e lazer;

VIII - operar e manter em boas condições de uso os equipamentos relacionados ao esporte sob a gestão da cidade;

IX - definir políticas e diretrizes de cultura, em consonância com a Política Nacional de Cultura, com a Lei Orgânica do Município, e com os Planos Nacional e Municipal de Cultura, bem como estabelecer normas gerais para a efetivação das ações culturais do Município;

X - desenvolver, coordenar, acompanhar e monitorar as políticas públicas de cultura que possibilitem o reconhecimento, a pesquisa, a formação, a estruturação, o fomento, a defesa, a proteção, a preservação, a valorização e a difusão das mais variadas expressões culturais, entendendo a cultura como afirmação da vida em suas mais diversas formas de expressão, artísticas ou não artísticas, no âmbito do Município;

XI - coordenar e gerenciar, tecnicamente, as propostas e projetos a serem efetivados pela Administração Municipal na área da cultura;

XII - desenvolver e gerir, em parceria com outros órgãos gestores da área social do Município, programas e ações intersetoriais que promovam e estimulem a inclusão e a emancipação social, fomentando as identidades e as diferenças, afirmando e reconhecendo a diversidade cultural existente;

XIII - preservar os bens culturais imateriais pertencentes ao patrimônio histórico e cultural do Município, com sua proteção e valorização;

XIV - incentivar e difundir todas as formas de produção artística e literária, através da promoção de eventos culturais, envolvendo a comunidade em projetos específicos, para afirmar o cidadão-indivíduo enquanto agente cultural e guardião da memória coletiva;

XV - auxiliar a administração do tombamento total ou parcial de bens materiais, móveis e imóveis, públicos e particulares, e administrar o registro de bens de natureza imaterial existentes no Município de Sobral;

XVI - apoiar técnica e administrativamente o Conselho Municipal de Política Cultural de Sobral; XVII - promover a Conferência Municipal de Cultura, com ampla participação popular, objetivando a construção e o acompanhamento coletivo das políticas públicas;

XVIII - estruturar e realizar cursos de formação e qualificação da população em geral, nas áreas de criação, produção, gestão e mercado cultural, primando pela democratização dos saberes e fazeres na cidade;

XIX - gerenciar de forma autônoma e democrática os recursos destinados à cultura, os recursos do Fundo Municipal de Preservação do Patrimônio Cultural, estes sob orientação e controle do Conselho Municipal de Política Cultural, tendo como referência as políticas públicas de cultura do Município e o Plano Municipal de Cultura;

XX - promover, em parceria com a Secretaria Municipal da Educação, a oferta de programas de ações culturais vinculados ao currículo escolar;

XXI - realizar estudos e pesquisas sobre a situação dos Jovens no Município;

XXII - planejar, gerenciar, integrar e executar, direta ou indiretamente, políticas e programas de interesse específico dos Jovens;

XXIII - desenvolver projetos e serviços voltados para o atendimento ao Jovem e ações voltadas para a garantia de direitos e da plena inserção do jovem na vida econômica, social, política e cultural;

XXIV - desempenhar outras atividades necessárias ao cumprimento de suas finalidades, bem como outras que lhe forem delegadas.

 

MADI 5 -Torre de Babel, em cinza e amarelo, 2002.

Obra: PHILIPPE VACHER, 1947.

 Sobre a obra:

Nas palavras do próprio artista: “Minha linguagem artística usa a geometria e brinca com formas, volumes elementares; é uma ginástica da partição, a deformação, o desequilíbrio.Uma leitura alternativa e seqüencial combina polos contraditórios, mas complementares de continuidade / descontinuidade, o positivo / negativo, cheio / vazio, a presença / ausência com ângulos de percepção que enfatizam os efeitos ópticos.Esses relevos, essas arquiteturas assumem seus polirritmos e ancoram meu problema plástico na tradução de equilíbrios instáveis ​​que estruturam a aparente coesão do mundo”. A desconstrução edificada por Vacher é apresentada com cores contrastantes, porém equilibradas, chegando a ser ambígua tal afirmação.

As condições paradoxais, equilibrar desequilibrando, preenchimentos vazados… de leituras contraditórias, mas perfeitamente aceitáveis, Phelippe nos instiga a perceber o mundo tão amplo e tão possível quanto ele.

 Sobre o autor:

Depois de receber um treinamento na Escola de Belas Artes de Bordeaux e na Escola Penninghen de Artes Gráficas em Paris, ele se juntou à aula preparatória para o professor de artes visuais no Liceu Claude Bernard, seguindo as aulas de história. de arte na Sorbonne e um treinamento de plástico na Escola de Belas Artes em Paris.

Até 2009, ele ensinou arte e história da arte na escola Pierre e Marie Curie High School em Châteauroux como professor associado onde em 2004, presenteia a escola com uma de suas obras .
Paralelamente ao seu ensino, ele continuou seu trabalho criativo.

 

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Vivamus commodo tempus mauris vitae iaculis. Curabitur egestas eros felis, fringilla molestie mauris laoreet sed. Praesent semper pretium semper. Maecenas vel fermentum sapien. Nulla vel faucibus enim. Maecenas condimentum sapien vitae nibh volutpat eleifend. Donec a neque sit amet nisl pharetra convallis. In fermentum hendrerit enim nec cursus. Nunc ut eleifend tortor. Ut laoreet, quam in ultricies pulvinar, massa tellus venenatis metus, non molestie quam diam id libero. Morbi posuere justo a risus hendrerit, sed mollis ipsum tincidunt. Aenean pellentesque risus nunc, euismod mattis nulla egestas et. Nullam in accumsan enim, at semper tortor.

Phasellus gravida ornare erat non vestibulum. Nam non mollis ex. Sed lacinia fringilla tellus quis mattis. Nam eget varius nisl. Nunc auctor dapibus nibh, vitae lobortis est tempus sed. Etiam venenatis convallis lectus, et fringilla odio dictum sed. Proin interdum lacinia mauris, sit amet sagittis ligula tincidunt sed. Sed ut libero ac libero venenatis lobortis. Sed a consequat sapien. Proin et felis suscipit, pharetra odio ac, pellentesque arcu.