MADI 5 -Torre de Babel, em cinza e amarelo, 2002.

Obra: PHILIPPE VACHER, 1947.

 Sobre a obra:

Nas palavras do próprio artista: “Minha linguagem artística usa a geometria e brinca com formas, volumes elementares; é uma ginástica da partição, a deformação, o desequilíbrio.Uma leitura alternativa e seqüencial combina polos contraditórios, mas complementares de continuidade / descontinuidade, o positivo / negativo, cheio / vazio, a presença / ausência com ângulos de percepção que enfatizam os efeitos ópticos.Esses relevos, essas arquiteturas assumem seus polirritmos e ancoram meu problema plástico na tradução de equilíbrios instáveis ​​que estruturam a aparente coesão do mundo”. A desconstrução edificada por Vacher é apresentada com cores contrastantes, porém equilibradas, chegando a ser ambígua tal afirmação.

As condições paradoxais, equilibrar desequilibrando, preenchimentos vazados… de leituras contraditórias, mas perfeitamente aceitáveis, Phelippe nos instiga a perceber o mundo tão amplo e tão possível quanto ele.

 Sobre o autor:

Depois de receber um treinamento na Escola de Belas Artes de Bordeaux e na Escola Penninghen de Artes Gráficas em Paris, ele se juntou à aula preparatória para o professor de artes visuais no Liceu Claude Bernard, seguindo as aulas de história. de arte na Sorbonne e um treinamento de plástico na Escola de Belas Artes em Paris.

Até 2009, ele ensinou arte e história da arte na escola Pierre e Marie Curie High School em Châteauroux como professor associado onde em 2004, presenteia a escola com uma de suas obras .
Paralelamente ao seu ensino, ele continuou seu trabalho criativo.